Search
Thursday 19 July 2018
  • :
  • :

Inglês de dois anos se livra de marcas de queimadura com técnica pioneira


Warning: Invalid argument supplied for foreach() in /home/maximfcj/public_html/portalbiomedico.net/wp-content/plugins/better-ads-manager/better-ads-manager.php on line 1451



Um menino de dois anos conseguiu se livrar das marcas de queimadura, após um tratamento pioneiro. Os médicos borrifaram – com spray – uma camada de pele no peito do pequeno.
Zed Merrick teve queimaduras de segunda grau no peito ao derrubar uma xícara de chá. A mãe do menino, Nicola Merrick, temia que ele ficasse com as marcas pelo resto da vida. “Foi o pesadelo de qualquer pai ou mãe”, disse ela. Mas quatro meses depois, o garoto não tinha sequer vestígios do incidente.

 

Click na imagem para ampliar

Os especialistas do Pinderfields Hospital, na cidade de Wakefield, na Inglaterra, utilizaram uma técnica recente e revolucionária. Eles criaram uma solução a partir de células da pele de Zed e borrifaram em cima das queimaduras. As marcas desapareceram completamente.
 
“O novo procedimento fez uma grande diferença para Zed e nós queremos promover a técnica para que outras pessoas também possam usufruir”, disse Nicola, em entrevista nesta quinta-feira. A mãe explicou ainda que em um procedimento normal, Zed teria que trocar as ataduras todos os dias, o que seria um procedimento doloroso.
Click na imagem para ampliar
 
“Eu nunca imaginei que Zed pudesse ficar assim novamente”, comemorou Nicola. Na noite em que o menino sofreu as queimaduras, ele foi levado ao hospital e submetido a uma cirurgia de duas horas. A pele morta foi removida e os especialistas pegaram também uma amostra de pele saudável do tamanho de um selo postal, para preparar a solução.
 
Click na imagem para ampliar
 
A nova técnica foi batizada de ReCell Spray-On Skin, e desenvolvida pelo laboratório da Avita Medical, em Cambridge. São aplicados curativos, que se soltam quando a pele de baixo vai se regenerando. Uma das grandes vantagens do procedimento é que não há riscos de rejeição do paciente, já que as células usadas são dele. Não há enxertos, o tratamento é mais rápido e a cicatrização é total.
 
Fonte: Extra